Bombeiros fazem parto e salvam bebê que parou de respirar: 'Emocionante' - Tupi Martim

Resumo

segunda-feira, 5 de março de 2018

Bombeiros fazem parto e salvam bebê que parou de respirar: 'Emocionante'

Terça, 06 de Março de 2018


O que era para ser o oitavo parto de uma gestante em Peruíbe, no litoral de São Paulo, acabou virando um ato de heroísmo de um grupo de bombeiros da cidade. Grávida de nove meses, Maria Siqueira, de 41 anos, não conseguiu ir até o hospital e precisou ter o bebê em casa. 

Além de ajudarem no parto, os bombeiros precisaram reanimar a pequena Emili, que ficou vários segundos sem respirar após nascer com o cordão umbilical enrolado no pescoço.

Em entrevista ao G1, o cabo Alberto Muniz Silva explicou que estava na sede do Corpo de Bombeiros quando, por volta das 11h, recebeu o chamado para uma ocorrência de parto no bairro Caraguava. 

Ele se dirigiu ao local junto os soldados Marina da Silva Generoso e Juliano Jesus Vignoli, sob o comando do sargento Paulo Rufino Teixeira de Almeida.

Ao chegarem à residência, os bombeiros se depararam com a dona de casa em trabalho de parto. O nascimento de Emili estava previsto para ocorrer até o fim de março, mas a pequena 'decidiu' chegar antes. 

“O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) estava em outra ocorrência. Não podíamos levá-la para o hospital porque só temos caminhão de incêndio. Não deu para esperar. Ela estava de 9 meses e com dilatação”, conta o cabo Alberto. 

Maria já havia dado à luz, anteriormente, na própria casa. Mas, desta vez, viu a filha nascer pelas mãos dos bombeiros. Eles, além de ajudarem com o parto, tiveram a difícil missão de manter Emili viva. “Foi um parto complicado. 

A menina nasceu com o cordão enrolado no pescoço e ficou um tempo sem respirar. Fizemos uma massagem nela, ela voltou e ficou estabilizada”, explica.

Quando a equipe do SAMU chegou ao local, Emili já havia nascido e estava bem. Ela foi encaminhada, em seguida, para avaliação do médico e, logo depois, a equipe levou a mãe e a bebê para o Hospital Regional de Itanhaém.

Já o bombeiro Muniz, que participou da ocorrência, voltou mais feliz para casa. “É emocionante. Tem momentos que são indescritíveis. 

A gente lida com bastante coisa no trabalho, desde um incêndio até o nascimento de um bebê, que é uma ocorrência diferente. É muito bonito”, finaliza. 

Fonte: F1 

Popular

Pages